17 de fev de 2006

yellow submarine


Ela dormiu.
dormiu na salinha dos sonhos,no seu mais novo canto.
dormiu sobre O Capital.
dormiu de tédio,de medo.de raiva.de bêbada.
dormiu com olhos no futuro, no presente q havia ganhado, ela queria prever o q iria acontecer, mas ñ podia.
dormiu com a mente pesada pensando no que ela seria se pudesse voltar e mudar o q ela havia feito.
dormiu sozinha.
Com ouvidos embalados pelo famoso yellow submarine, sonhou..
Sensação boa. se livrou daquele cheiro q vinha de tão próximo do seu esconderijo.
Sonhou q estava , ela, ele e tantos outros amarelos, navegando sobre o submarino. Ela ria e dava adeus ao passado q com hostilidade a fitava com os olhos parados no porto.

Ela teria encontrado um motivo, um lugar pra repousar seu amor?

Yellow Submarine
The Beatles

IN THE TOWN WHERE I WAS BORN
LIVED A MAN WHO SAILED TO SEA
AND HE TOLD US OF HIS LIFE
IN THE LAND OF SUBMARINES

SO WE SAILED UP TO THE SUN
TILL WE FOUND A SEA OF GREEN
AND WE LIVED BENEATH THE WAVE
SIN OUR YELLOW SUBMARINE

AND OUR FRIENDS ARE ALL ABOARD
MANY MORE OF THEM LIVE NEXT DOOR
AND THE BAND BEGINS TO PLAY

WE ALL LIVE IN A YELLOW SUBMARINE
YELLOW SUBMARINE, YELLOW SUBMARINE
WE ALL LIVE IN A YELLOW SUBMARINE
YELLOW SUBMARINE, YELLOW SUBMARINE

AS WE LIVE A LIFE OF EASE
EVERYONE OF US HAS ALL WE NEED
SKY OF BLUE AND SEA OF GREEN
IN OUR YELLOW SUBMARINE

WE ALL LIVE IN A YELLOW SUBMARINE
YELLOW SUBMARINE, YELLOW SUBMARINE
WE ALL LIVE IN A YELLOW SUBMARINE
YELLOW SUBMARINE, YELLOW SUBMARINE


ñ Doutor Bruno eu ñ estou drogada.
e vê se posta nesse blog e para de encher minha paciência .=**


Frase notada: A dor é inevitável, o sofimento é opcional.- Carlos Drumond de Andrade

16 de fev de 2006

Na terra das aparências...



É fácil perceber o fato de que no percurso pro bater de botas, alguns ñ se encontram, ou só se encontram no espelho de outros...Estes fazem um esforço gigante pra tentar mostrar pra todos q possuem algum conteúdo por trás de seus olhares vazios e dos seus rostos sem expressão.
Como se tornam tolos estes q muito falam, debatem e gritam palavras néscias ao vento...Se não fosse tão sórdido seria até cômico, ver dentro de uma geração tão apática, grupos q se consideram mais politizados, preucupados com o futuro dos seus semelhantes, trocarem ofensas pessoais durante um debate entre estudantes.
Eu estava lá e vi, pessoas, se é q posso me referir assim a alguns daqueles q estavam presentes ali, parafraseando discursos vazios anteriormente ditos por outros, reproduzindo de forma grotesca argumentos ingênuos , utilizando de toda uma retórica para esconder seus verdadeiros interesses e camuflar as brechas de suas falas. É lastimoso pensar q poso vir a ser representada, ou q já sou representada, por pessoas tão covardes e medíocres q aparentemente mostram-se seguras de si.
É como uma peça de teatro, onde cada ator precisa, tem necessidade, obrigação de parecer aquilo q diz q é, de mostrar seus dons e habilidades...Mas eu sei q todo esse teatro é só a forma de manifestação de um jogo de interesses q ridiculariza e miniminiza seus atores-potenciais em meros marionetes.
Por isso são poucas as minhas palavras, ñ me precipito com minha boca ou me apresso a pronunciar palavra alguma... Sigo atenta, calada e sem medo.



Mas tudo isso é vaidade.
Vaidade de vaidade.


Ouvindo: As aparências enganam - Elis Regina

Frase clichê: "Nem tudo, é o q parece ser."

título roubado do segundo álbum da banda Virtud=]
foto: meu ouvido ñ é pinico!