16 de fev de 2006

Na terra das aparências...



É fácil perceber o fato de que no percurso pro bater de botas, alguns ñ se encontram, ou só se encontram no espelho de outros...Estes fazem um esforço gigante pra tentar mostrar pra todos q possuem algum conteúdo por trás de seus olhares vazios e dos seus rostos sem expressão.
Como se tornam tolos estes q muito falam, debatem e gritam palavras néscias ao vento...Se não fosse tão sórdido seria até cômico, ver dentro de uma geração tão apática, grupos q se consideram mais politizados, preucupados com o futuro dos seus semelhantes, trocarem ofensas pessoais durante um debate entre estudantes.
Eu estava lá e vi, pessoas, se é q posso me referir assim a alguns daqueles q estavam presentes ali, parafraseando discursos vazios anteriormente ditos por outros, reproduzindo de forma grotesca argumentos ingênuos , utilizando de toda uma retórica para esconder seus verdadeiros interesses e camuflar as brechas de suas falas. É lastimoso pensar q poso vir a ser representada, ou q já sou representada, por pessoas tão covardes e medíocres q aparentemente mostram-se seguras de si.
É como uma peça de teatro, onde cada ator precisa, tem necessidade, obrigação de parecer aquilo q diz q é, de mostrar seus dons e habilidades...Mas eu sei q todo esse teatro é só a forma de manifestação de um jogo de interesses q ridiculariza e miniminiza seus atores-potenciais em meros marionetes.
Por isso são poucas as minhas palavras, ñ me precipito com minha boca ou me apresso a pronunciar palavra alguma... Sigo atenta, calada e sem medo.



Mas tudo isso é vaidade.
Vaidade de vaidade.


Ouvindo: As aparências enganam - Elis Regina

Frase clichê: "Nem tudo, é o q parece ser."

título roubado do segundo álbum da banda Virtud=]
foto: meu ouvido ñ é pinico!

Um comentário:

Tete disse...

rsrsrsrsrrsrsrsrrsrsr
e baianaaaaaa...foi bom te ver aqule sabado


bjim pra vc e boa sorte com o apartamento